Eu li: Objetos Cortantes – Gillian Flynn

Helloo gente! Faz tempo que não faço resenha né? Mas, para compensar, vim com Gillian Flynn, pode ser? Hahahahaha.

Gillian é autora de três livros que estão fazendo um super sucesso, sendo que dois deles já foram adaptados para os cinemas (Garota Exemplar e Lugares Escuros) e o outro, Objetos Cortantes, vai virar série, ou seja, a moça sabe o que faz, né? Conheci a autora quando assisti Garota Exemplar e fui pesquisar sobre. Querem saber o que eu achei??

Autor(a): Gillian Flynn

Páginas: 254

Gênero: Romance Policial

Sinopse: Recém-saída de um hospital psiquiátrico, onde foi internada para tratar a tendência à automutilação que deixou seu corpo todo marcado, a repórter de um jornal sem prestígio em Chicago, Camille Preaker, tem um novo desafio pela frente. Frank Curry, o editor-chefe da publicação, pede que ela retorne à cidade onde nasceu para cobrir o caso de uma menina assassinada e outra misteriosamente desaparecida. Desde que deixou a pequena Wind Gap, no Missouri, oito anos antes, Camille quase não falou com a mãe neurótica, o padrasto e a meia-irmã, praticamente uma desconhecida. Mas, sem recursos para se hospedar na cidade, é obrigada a ficar na casa da família e lidar com todas as reminiscências de seu passado. Entrevistando velhos conhecidos e recém-chegados a fim de aprofundar as investigações e elaborar sua matéria, a jornalista relembra a infância e a adolescência conturbadas e aos poucos desvenda os segredos de sua família, quase tão macabros quanto as cicatrizes sob suas roupas.

Resenha: Apesar de ter assistido o filme baseado no segundo livro da autora, Garota Exemplar, que já dá vários indícios dos temas e características de Flynn, fui totalmente pega de surpresa ao ler Objetos Cortantes. Quando li a sinopse, imaginei um romance policial bom, mas superficial, daqueles com finais bem óbvios. Mas foi ler o primeiro capítulo pra mudar completamente de opinião.

Logo no início, somos apresentados a Camille Preaker, uma jornalista de um jornal pequeno e desconhecido de Chicago que vê em dois casos de assassinato em sua cidade natal, a chance de ter seu nome reconhecido no meio em que trabalha, assim como seu chefe, que a manda a Wind Gap, no Missouri, a fim de produzir uma matéria capaz de alavancar as vendas do jornal e torná-lo conhecido na capital.

Ao voltar para a cidade onde passou grande parte da vida e se hospedar na casa da família, Camille passa a reviver sua infância repleta de turbulências ao lado da meia-irmã de 13 anos quase desconhecida, Amma, que é esperta e provocativa demais para a pouca idade, sua mãe, Adora, a mulher mais amada na cidade, graças ao seu passado, e o padrasto sem função alguma na casa ou na vida da protagonista.

Ao longo das investigações dos crimes, Camille tem de encarar seu passado perturbador cada vez que tem de entrevistar ou conviver com conhecidos ou amigos de infância que não mudaram em nada com o passar dos anos, causando a volta da sua vontade de se mutilar, até então controlada, e fazendo com que descubra cada vez mais sobre os defeitos e demônios que rodeiam a pequena cidade do interior.

Gillian escreve de forma muito envolvente e profunda, fazendo com que você conheça tanto a protagonista, quanto os demais personagens de forma bem íntima, mostrando suas personalidades, muitas vezes duvidosas, seus medos, defeitos, e segredos. Além disso, traz de forma forte temas como depressão e automutilação, assim como trata sobre abandonos e perdas. Confesso que não adivinhei quem era o assassino, portanto, a surpresa no final foi inevitável pra mim, mostrando uma trama muito bem feita e com muito sentido.

Um fato bem interessante que percebi só depois de terminar a leitura e ver algumas resenhas é que todos os personagens fortes são mulheres. Os poucos homens que aparecem ao longo da trama, apesar de serem importantes na história, são pouco desenvolvidos e explorados.

Em suma, posso dizer que é uma trama marcante e perturbadora, mas com uma escrita fantástica para um livro de estreia de uma autora, como é o caso.

Adorei, apesar de não estar acostumada a ler esse tipo de livro. Recomendo a quem gosta de histórias envolventes de suspense. Mereceu quatro estrelinhas porque em certos momentos achei pesado demais.

Gostaram gente? Gostariam de ler? Me contem!

Beijos, Ma 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *